18 junho 2013

Zara em Natal, Renner e promoções na Marisa!

GEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEENTTTT, desculpa! Queria fazer mistério, oferecer chocolate de prêmio pra quem adivinhasse, mas não rolou. Tive que colocar no título. kkkkk
NOTA: O post é gigante e bipolar, mas vale a pena. 


  • Sentimento 01: Euforia
Depois dos boatos de que abriria uma Zara no Natal shopping após a reforma (fiquei super-mega-ultra triste quando descobri que não era verdade. :'( ), o midway veio pra suprir nosso desejo! Sem espalhar notícias, a Zara chegou! GENT, TOU MUITO EMOCIONADA!

Estava perto do Midway em uma consulta e, por um acaso, decidi ir ao shopping. Estava fazendo o retorno na Av. Antônio Basílio e bateu uma vontade repentina de passar por lá. Na hora estava falando com Victor (Que, pra quem ainda não sabe, é meu lindo namorado) que me perguntou o que eu ía fazer por lá. Eu não sabia o que responder, afinal de contas a vontade tinha batido sem porquê nem pra quê. Busquei na minha memória o que eu tinha que resolver por lá e lembrei de um caso antigo com a Renner que eu nunca concluí pela falta de tempo e esquecimento. Mas meu coração sabia que não era isso...
Chegando lá, vi uma movimentação próxima à Riachuelo do terceiro piso. Perguntei pra uma mulher que disse que era a fila para trocar os cupons da promoção que tá rolando e, ok, "Obrigada, moça" (...) Um Z. Um A. WHAAAAT? "ZARA" (!). Procurei uma tomada desesperadamente (Meu celular tinha acabado de descarregar e eu precisava de uma foto). Achei uma perto dos extintores de incêndio no corredor (SIM! Pagando mico. Beajos, sociedade!) e corri pra conseguir fotografar pra vocês.


Minha reação ao perceber que era uma Zara. OH MY GOOOOD

Há cerca de um ano, a Zara enfrentou uma série de processos baseados na denúncia de que a loja submetia seus funcionários a um regime de trabalho escravo. Do meio do ano passado pra cá, quando as coisas começaram a se dissolver, muitos jornais e sites noticiaram a resolução do problema. A jornalista Marcela Ayres foi uma que escreveu a respeito afirmando que depois do envolvimento com trabalho escravo, a empresa se associou a ONGs para ajudar imigrantes no Brasil e acabou com o trabalho escravo dentro das fábricas. Espero que sim, mas ainda não tenho a certeza (Quem tem?).
O meu problema com a vinda da Zara é o mesmo que temos com a importação de qualquer outra marca gringa: Impostos. A loja é conhecida por seus preços muy amigos lá fora, mas nas lojas que já temos no Brasil (SP, Recife, RJ e outras) vemos preços abusivos. A única vantagem continua sendo o acesso a peças bonitas, com boa modelagem e estampas/cortes diferenciados (Coisa que só poderei confirmar com a vinda dela pra cá, já que nunca visitei uma loja física da queridinha Zara).
A loja será gigante! (Desconsiderem a fila... já expliquei do que se trata).
Abaixo da foto, um vídeo. Eu sempre me enrolo pra tirar fotos panorâmicas no meu celular e, do lugar onde eu estava - presa à tomada - não conseguia tirar uma foto que mostrasse o tamanho da fachada da loja. Amadorismo, bjs.



video


  • Sentimento 02: Revolta

Passada a euforia da descoberta, fui me resolver com a Renner. Pra minha surpresa (só que não), ninguém sabia a respeito do meu problema. Os atendentes eram outros e diziam não ter registro algum da reclamação (Minha sandália foi enviada pra "análise" em outro estado em 18/01/2013 porque o responsável local pelo setor de trocas julgou e concluiu que não trocaria minhas rasteiras afirmando que elas estavam naquele estado porque eu as usei demais. Caro amigo, mesmo que eu tivesse usado a rasteira TODOS OS DIAS durante os 39 em que estive com ela (Data da compra: 07/12/12. Data das fotos: 14/01/13), ela não deveria se apresentar tão desgastada.
De acordo com o código de defesa do consumidor:


SEÇÃO II
Da Responsabilidade pelo Fato do Produto e do Serviço 
        Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
        § 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:
                  I - sua apresentação;
                  II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
                  III - a época em que foi colocado em circulação.
(...)

SEÇÃO IV
Da Decadência e da Prescrição

        Art. 26. O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação caduca em:
        I - trinta dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos não duráveis;
        II - noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos duráveis.
        § 1° Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do produto ou do término da execução dos serviços.

Considerando o fato de um par de sandálias ser um bem durável, eu teria até o dia 07 de março para reclamar do meu produto. Com um mês e nove dias fui lá e me foi negada a troca porque julgaram que eu havia degradado a sandália. Obviamente, não aceitei o não. O responsável - que nem teve a dignidade de me atender, ficou mandando recados - disse que enviaria para análise em outro estado e que demoraria cerca de um mês para obterem um resultado e, então, me ligariam. Ninguém ligou. E agora, em junho, estou sem sandália e sem respostas, pois "não temos registros da sua reclamação, senhora".


  • Sentimento 03: Felicidade

Ok. Desabafo feito. Agora vamos para um momento de felicidade (Esse post tá muito bipolar, gente, desculpa!):  PROMOÇAUM (Promoção*)! Fui na Marisa só pra bater o ponto mesmo, já que estava à toa no shopping.
Passei pelo setor de calçados (Querido gerente da Marisa, odiei a arrumação. A disposição das prateleiras me deixou tonta e eu fiquei perdida me sentindo naquelas salas de espelhos que temos nos parques, onde você não sabe onde é uma passagem e onde é vidro. Fica a dica!).
Achei uma sandália ankle strap nude linda! (Vou fazer um post sobre esse tipo de sandálias!), tristinha. A bixinha estava abandonada, buscando alguém que a levasse pra casa (Tadinha, gente!). Tive compaixão pela póbi e fui provar.
Lindo! Meu número! Fui atrás do preço e a atendente soltou bem baixinho:
"Trinta e nove"
- "Han? Moça, eu quero o preço e não o número!"
"Trinta e nove reais, senhora!".

OK, PESSOAL, ISSO É PEGADINHA DO SILVIO SANTOS, NÉ?
Não. E mais! Não era só ela... Havia uma prateleira de rasteiras por 29 dilmas e outra com sandálias de salto por 39 cada. E eu??


Sou exagerada? Imagine! Procurei, mais uma vez, uma tomada que me desse forças (sem drama, ok)... que me fornecesse energia para poder tirar fotos e postar logo no instagram (Segue aí, fia! @leticiasayonara) pra vocês. Achei uma escondida e fiquei feliz. Como toda felicidade dura pouco, lembrei que tinha acabado de gastar meu dindin com o dentista. Tinha 80 reais (de outra coisa) na bolsa. Comprei!!! Duas! (Preciso de tratamento. Aceito como presente - daqui a 29 dias é meu aniversário). Achei uma segunda meio parecida, mas com salto plataforma e levei pro caixa enganando minha mente repetindo que estava levando aquela pra minha mãe (Minha momis calça 36, gente. Imagine o desespero!), afinal de contas eu não podia perder aquilo... Eram duas sandálias da Vizzano que estavam por 39 dinheiros cada!


Essa primeira estava desgastada e eu fiquei pensando se valia a pena comprar. Decidi que sim porque nunca vi uma sandália da Vizzano por 39 pilas, e acho que um sapateiro dá jeito nesses problemas (espero hehehe).
Já a segunda, LINDA! Está perfeita, sem defeitos.



Sofri, gente. Foram muitas emoções para um dia só (Principalmente na semana de TPM e véspera da prova mais importante do semestre). Fora isso, fui dormir nem lembro que horas lendo textos, vendo fotos e assistindo vídeos relacionados à grande revolução que está ocorrendo em nosso pais. Se envolvam! "Uma cidade muda não muda!". Precisamos de vocês, precisamos de todos!
Só Jesus na providência mesmo, viu? Abençoa, Senhor!
Depois desse texto gigante, vou mimbora. Contei tudo que tinha que contar pra vocês sobre ontem (Estou mais leve. E minha consciência limpa proporcionalmente ao número de visitas, pois é como se eu desabafasse com mil pessoas e distribuísse um pouquinho da emoção com cada uma hahaha).
Boa noite. Deus nos abençoe!